Pentecostais “lindos e santos” atacam a Igreja Católica

No presente artigo, vou transcrever um texto da IURD, a famosa “Universal”. Sinceramente, eu não encontrei os adjetivos apropriados para qualificar as agressões com que essa seita pentecostal ousa atacar a Santa Igreja Católica. Não compensa nem ficar revoltado com o que eles escrevem, pois é tanta mentira e tanta infâmia que não se deve nem levar em consideração qualquer coisa que parta deles. Mas devemos nos questionar sobre o que pensar de um padre que tem a ousadia de dizer que esses pentecostais são “lindos e santos”.

Logo na primeira página, vemos a primeira difamação: uma imagem grande, tendo no centro o mapa do Brasil, dentro do qual foi adaptada a cena da primeira Missa rezada em nossas terras; ao redor do mapa, fotos de diversos elementos acusados de corrupção, como se pode ver na figura abaixo:

Infame é o mínimo que podemos dizer da atitude desta seita pentecostal ao tentar correlacionar o Catolicismo à corrupção no Brasil. Mas isso é apenas o começo. Na página 3A do mesmo jornaleco, está o texto difamador, do qual alguns trechos estão transcritos abaixo:

A corrupção está qualquer lugar onde o homem existe. Nos países de cultura evangélica, no entanto, ela é bem menor do que nos de cultura católica, onde escândalos são constantes, conforme está ocorrendo no Brasil, que vive 500 anos de caos e má conduta. (…)

Os portugueses católicos desembarcados no Brasil não trouxeram suas respectivas famílias. E não era para menos, pois logo começaram uma ação extrativista em terras brasileiras. Pelo que se sabe, parte ia para a Coroa Portuguesa, parte para a Igreja Romana e uma outra ficava retida.

Nada era investido para o progresso do País e do seu povo. A Igreja Católica Apostólica Romana trabalhava como suporte de toda essa operação de extirpação de riquezas através das catequizações para ter o total domínio dos incautos nativos brasileiros. (…)

Dessa maneira, não haveria qualquer tipo de resistência para impedir o extrativismo, pois quando alguém resistia em aceitar essas e outras imposições religiosas, os inquisidores entravam em ação e os opositores eram queimados em fogueira pelos sacerdotes romanos.

Este tipo de cultura atrasou e continua atrasando o desenvolvimento do Brasil. Lamentavelmente, essa cultura corrupta da época da colonização é notória nos dias atuais. Por conta disto, os Estados Unidos da América, nossos contemporâneos de colonização, de cultura evangélica, são a grande potência do planeta, enquanto o nosso querido e manchado Brasil é considerado subdesenvolvido. (…)

Os Estados Unidos da América foram descobertos pelos espanhóis, porém, colonizados pela Inglaterra, país de cultura evangélica, que não praticou o extrativismo. Ao contrário do que aconteceu no Brasil, os colonizadores levaram seus familiares e a Bíblia Sagrada. Investiram no país e, com muito trabalho e fé, fizeram da América a maior potência mundial. O índice de corrupção é muito baixo se comparado ao Brasil. O povo é predominantemente evangélico, com pequeno número de católicos, e o país dispensa qualquer apresentação em relação à sua desenvoltura, fruto de uma crença baseada na Palavra de Deus.

Folha Universal, n. 699, de 28 de agosto a 3 de setembro de 2005

Mas as mentiras e baixarias não acabam aí. No quadro, reproduzido abaixo, vemos a que nível chegam as mentiras desta seita. Por que eles não mencionam os países católicos e ricos, como Espanha, França e Itália? Por que eles não mencionam os países colonizados por protestantes e que são pobres, como a Índia? Tudo é direcionado, através de mentiras, a fazer com que o leitor ignorante acate a idéia de uma supremacia protestante:

A quantidade enorme de erros históricos, mentiras, falsificações e calúnias em um curto texto que ocupa uma única página, cheia de figuras, assusta até quem já conhece um pouco da IURD. Se quiséssemos responder às acusações, teríamos de escrever quase um artigo para cada frase do texto caluniador. Talvez eu o faça, em futuros artigos, para esclarecer alguns pontos que possam ser instrutivos para a defesa da Fé Católica. Mas isso não será em resposta aos ofensores, pois quem escreveu esse texto caluniador não merece outra coisa senão o nosso desprezo à suas baixarias. E as nossas orações, claro, pois estamos obrigados a orar por nossos inimigos.

Voltando à análise do texto, poderíamos dizer que, se trocássemos as expressões “evangélicos” por “raça superior” e “católicos” por “raças inferiores”, nenhuma diferença essencial haveria entre o mesmo e a propaganda nazista, estando ambas no mesmo nível de canalhice. Omitindo deliberadamente todos os fatos e argumentos contrários à sua tese, e falsificando os favoráveis, o autor do texto cria uma espécie de dicotomia, na qual tudo o que é bom vem dos protestantes, enquanto que tudo o que é mau vem dos católicos. É o cúmulo da parcialidade e da mentira. Na verdade, a História prova o quanto a Igreja Católica foi de fundamental importância para a construção da Civilização Ocidental, enquanto que o protestantismo trouxe discórdia e divisão entre os homens, através do individualismo tão próprio a essa heresia. Análise essa, é claro, feita apenas no plano da Civilização, sem sequer tocar no ponto mais importante, que é o teológico.

Cabe a nós acrescentar, ainda, que essa calúnia foi um exemplo extremo do ódio a que podem chegar os pentecostais contra a Igreja de Cristo. Mas, infelizmente, a IURD não é a única seita a atacar a Igreja. Qualquer católico que já teve a oportunidade de defender sua Fé contra o ataque de pentecostais sabe o quanto eles ofendem injustamente a Igreja e conhecem a violência verbal de que eles se utilizam para tentar tirar as pessoas da Igreja Católica e levá-las para suas seitas. Isso sem falar em inúmeros sites protestantes da internet (um dos piores é o http://www.cacp.org.br) que contam as mais terríveis mentiras contra o Catolicismo.

Diante de tanta mentira e tanta perseguição injusta contra a Igreja Católica, nós temos obrigação de nos perguntar como que Mons. Jonas Abib teve a ousadia de elogiar esses pentecostais caluniadores, dizendo que ele são “lindos e santos”. Esse líder da RC”C”, aliás, já demonstrou, com abundância de provas, que sua doutrina é protestante. Quando se referem aos católicos que não aceitam os erros do Concílio Vaticano II, os carismáticos são ofensivos e intolerantes, mas para elogiar quem ataca a Igreja, para isso eles são tolerantes e amigáveis. Eu consigo encontrar apenas um título para o “católico” que defende serem os pentecostais “lindos e santos”: o de traidor da Igreja.