Ex-católica blasfema contra a Igreja

Há algum tempo, uma ex-católica deixou no meu blog o seguinte comentário:

Também fui católica, mas um dia que ouvi de uma colega de escola as distorções e as mudanças que a Igreja fez, por interesses simplesmente econômnicos,e que distorceu ela e saiu totalmente dos ensinamentos de Cristo na Bíblia, fiquei de cabelo em pé em ao mesmo tempo muito braba com ela. Isso levou a que no entanto, fosse pesquisar na história e na Bíblia para ver se o que ela falu erar mesmo verdade. Só posse dizer que entende não quer a verdade. Não entende a verdade aquele que fica acreditando nos outros, seja lá quem for, pastor, padre, ministro. A gente tem que estudar a história e a Bíblia para tirar as conclusões, não é ir na conversa dos outros. Essa é a grande verdade, quem escreveu esse texto nesse blogue já fez isso para ficar agredindo as pessoas? Estudar e muito,é a questão e daí: Examinar as escrituras a fundo e Conhecer verdade que está nela e se libertar dos falsos ensinamentos é o fundamental.

https://intribulationepatientes.wordpress.com/2008/07/30/por-que-nao-podemos-deixar-de-denunciar-a-rcc/#comment-148

Não é novidade para nenhum católico que já tenha defendido a Fé Católica dos ataques de protestantes que estes tratam a Igreja como a pior vilã da história. Os “católicos” modernistas e traidores chamam-nos de “irmãos separados”, fazendo vistas grossas ao ódio que a maioria deles têm contra a Igreja. Tanto ódio que eles transformam pessoas que antes eram católicas em verdadeiros inimigos da Igreja, iguais a eles. Exagero meu? De forma alguma. Eu já tive a oportunidade de conversar pessoalmente com pessoas que não somente abandonaram a Igreja, mas que também passaram a nutrir por Ela os piores sentimentos, tudo por obra maldita das seitas pregadoras de difamações. Isso também já não é novidade para ninguém que tenha conhecido um apóstata. Mas este artigo, creio eu, pode ser de interesse pois o comentário da ex-católica foi colocado de forma escrita, dando-no a oportunidade de refletir melhor sobre o efeito nefasto das seitas. Vamos ler as blasfêmias proferidas por uma pessoa já pertenceu à Igreja:

Olha só… não vou voltar para uma igreja mentirosa que mudou os 10 mandamentos. Aliás vc já leu a biblia?
Parece que não. Se tivesse lido saberia que o que está escrito no Exodo 20 é bem diferente do a igreja católica ensina na catequese. Eu estou defendendo a palavra de Deus, dos iminigos que diabólicamente mudaram tudo. Como disse ouviu de uma amiga, mas depois fui procurar a verdade na bíblia que é o que vc deveria fazer. Meu caro, espero realmente que o Espirito Santo de Deus abra seus olhos, os seus ouvidos e o seu coração que é somente o que Jesus quer – o nosso coração.

https://intribulationepatientes.wordpress.com/2008/07/30/por-que-nao-podemos-deixar-de-denunciar-a-rcc/#comment-195

O ódio que essas pessoas, outrora católicas, passam a ter contra a Igreja é algo impressionante. As seitas tiram os filhos dos braços da Igreja e os transformam em verdadeiros inimigos, que não medem palavras para blasfemar contra Ela. E lembrar que, no primeiro comentário, ela havia dito que eu estava agredindo as pessoas. Que enorme inversão de valores! Uma criatura que acusa a Igreja de mudar tudo diabolicamente, vem me acusar de agressão! Este blog busca desmentir os ataques covardes e mentirosos contra a Igreja. Se alguém quiser que não o incomode, pare de atacar a Igreja, de dentro ou de fora dela. Mas enquanto houver agressão à Verdadeira Fé, eu, em pleno direito, a defenderei.

As acusações contra a Igreja, tanto no plano histórico como no teológico, são as mais absurdas e infundadas. Mas, devido à falta de formação do povo católico, e ao clima de amizade generalizada criado pelo ecumenismo modernista, os fiéis não percebem o veneno que certos “amigos” vão injetando neles. O clima de festa e de reconciliação do Vaticano II atordoou os fiéis. Afinal, se até para a elaboração da nova missa se pode contar com o auxílio de seis pastores protestantes, porque o povo deveria ser advertido sobre as más intenções das seitas em fazê-las apostatar da Verdadeira Fé? O ecumenismo suicida do Vaticano II não combina nem um pouco com saudáveis advertências aos fiéis sobre os riscos que correm nas mãos da propaganda agressiva das seitas. Se houvesse boa vontade das autoridades eclesiásticas em proteger os fiéis contra as seitas, certamente não haveria a apostasia que se vê hoje em dia. A Verdade Católica é tão evidente que não haveria apostasias se elas fossem ensinadas nas Igrejas. Mas, enquanto ficam restritas a alguns bons sites da internet, a grande parte do rebanho fica largada aos lobos.

Para encerrar o artigo, e para mostrar um pouco o quanto as teorias protestantes são absurdas e insustentáveis, vamos demonstrar a incoerência da autora dos comentários. Primeiro, ela disse que eu deveria ler a Bíblia. Depois, ela encerrou dizendo que Jesus quer apenas o nosso coração, não se atentando para o fato de não é isso que está escrito na Bíblia:

“Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu entendimento; e a teu próximo como a ti mesmo.” Lc 10,27

As Sagradas Escrituras são bem claras. Precisamos amar a Deus não somente com o coração, mas com todas as potências de nossa alma, incluindo (e especialmente) as mais elevadas, a inteligência e a vontade. E agora, eu pergunto: quem é que não lê a Bíblia?

De fato, os protestantes não estudam com imparcialidade a Bíblia. Eles não fazem outra coisa senão utilizar as Sagradas Escrituras, de maneira vil e covarde, para atacar a Igreja Católica, roubando-lhes os filhos e transformando-os também em inimigos, aproveitando-se de que estes estão desprotegidos e entorpecidos pelo ecumenismo e pelo diálogo do Concílio Vaticano II e de seus sequazes.

12 comentários em “Ex-católica blasfema contra a Igreja

  1. Evandro disse:

    Prezado Márcio, salve Maria!

    Pois é, e depois disso tudo vemos o Mons. Jonas chamar essa gentalha de “lindos e santos”!
    Você expressou corretamente: “ecumenismo suicida do Vaticano II”. Foi e é isso mesmo, fora a sofrível “Campanha da Liberdade, Igualdade e Fraternidade” da CNBBesta.
    E tome RC”C” também… Meu Deus, quando o naufrágio do barco de Pedro vai acabar?

    Evandro

  2. Theophilus disse:

    “Meu Deus, quando o naufrágio do barco de Pedro vai acabar?”
    Na Parusia.

  3. José disse:

    Caro irmão. Sou católico, sim, procuro conhecer a minha igreja e viver como bom cristão.
    Cada um tem sua casa e a arruma como gosta. Nós, colocamos Jesus Cristo, na Sagrada Eucaristia em primeirissimo lugar, e só a ele adoramos. Veneramos sem culto de adoração a Maria, a mãe do Filho de Deus encarnado, bem como os santos, que para nós são somente “setas” a indicar o caminho para Ele, que é “o caminho, a verdade e a vida”.
    O único meio de convertermos o mundo é nos amando, católicos, cristãos, evangélicos, protestantes, etc., pois é assim que o Criador quer, é assim que Ele ama e faz chover sobre justos e injustos.
    O ódio só faz mal para quem o sente. Não deixemos que isto nos atinja. O ecumenismo é o único caminho para um maior entendimento entre as várias “correntes” que se dizem cristãs, e o amor entre os cristãos é a única maneira de convertermos o mundo para Cristo. Graça e paz.

  4. malwee disse:

    Salve maria é ótimo… Não deveria ser Salve Jesus? pra começar…
    Os amados ja leram Isaías 44? será que existe em vossas bíblias?
    Senhor… quanta cegueira!
    quando assar seu churrasco,pegue o resto da madeira que vc usou e faça um ídolo! Uma santa de madeira e adore! idólatra! e vc vai queimar no inferno com as cinzas dos seus santos de madeira e gesso!

  5. Márcio disse:

    Malwee,

    Salve Maria, Santíssima Mãe de Deus!

    “Todas as gerações me chamaram bem-aventurada” (Lc 1,48). Este trecho não existe na sua Bíblia? Nós, católicos, cumprimos esta profecia: todas as nossas gerações, desde Cristo, proclamam as maravilhas que Deus fez em Maria Santíssima. Nós somos da descendência espiritual d’Ela. Vocês, que A desprezam, pertencem à descendência da serpente maldita.

    Quanto à falsa acusação de idolatria, isto só demonstra o ódio fanático que os hereges têm contra os católicos. Do que adianta explicarmos que não adoramos ídolos? Veneramos, sim, os santos de Deus, aqueles deram exímio testemunho de amor a Ele. O que não deixa de ser motivo de fúria para os hereges, que jamais poderão contar com exemplos de santidade. Os grandes nomes, entre vocês, são como os de Lutero, blasfemador, furioso, de baixo calão.

    Estude a história do protestantismo antes de nos acusar de cegueira.

  6. Antunes disse:

    Você chama de blasfemia as verdades que esta irmã escreveu? blasfemia é o que a igreja catolica criou ou seja os dogmas. Eu também já fui enganado como você mais quando conheci verdadeiramente jesus ele me libertou dessa babilonia chamada igreja catolica que nada tem de cristã.

  7. Márcio disse:

    Caro Antunes, Salve Maria!

    Sinto muito por você, mais um filho que o diabo arrancou da Igreja de Deus. Antes de repetir por aí as injúrias protestantes contra a Santa Igreja, leia as respostas que nós temos para lhes dar:

    http://www.dicionariodafe.com/index.php?pg=1000calunias&id=001

    Prestes atenção que são quase mil mentiras que as seitas espalham contra nós. Todas devidamente respondidas. A Verdade está claramente do lado da Igreja Católica, só não enxerga que não quer. As seitas infernais só arrastam os que não amam a Verdade e preferem viver na mentira.

    AMDG,

    Márcio

  8. Aline disse:

    Quando li isso aqui e vi vcs falando de ódio fiquei entristecida, sou evangélica e acredito num único Deus, já fui católica sou a bastante tempo evangélica e NUNCA foi nutrida esse ódio por católicos, tenho muitos amigos q são, apesar de não concordar, respeito e oro pela vida dessa pessoa.

    Como arrancar da igreja de Deus se a pessoa está seguindo a Cristo que é único caminho, por favor ,antes de vim aqui na internet e projetar ódio as pessoas, pensem mais em Jesus que esse sim é amor.

  9. Márcio disse:

    Aline, nem todos os protestantes tem ódio aberto à Igreja Católica. Mas um elevado número tem, sim, ódio à Igreja. É só ler alguns sites ou jornais, ou conversar com eles. Eu já tenho longa experiência nisto e posso afirmar isto sem dúvida alguma. E mesmo dentre os que não tem verdadeiro ódio, algo contra a Igreja eles sempre têm. Alguns por ignorância, outros não. Mas, o protestantismo em si nasceu do ódio contra a Igreja, basta estudar a história de Lutero.

    Só se pode seguir verdadeiramente a Cristo se se pertence à Igreja que Ele fundou. E esta Igreja é a Católica. Nenhuma seita fundada mil e quinhentos anos depois da Sua morte pode querer pretender ser a Igreja fundada por Cristo. E você é mais uma prova de que os protestantes buscam todas as formas de arrancar os filhos da Igreja. E é por isto que nós, católicos, temos a obrigação de instruir os mais fracos para não cair nas garras das seitas. Isto não é projetar ódio, mas sim se defender daqueles que combatem a Igreja Católica.

    Finalmente, fica o convite para você retornar à Igreja Católica, fora da qual não há salvação, e também para conhecê-la melhor. Certamente você foi arrastada para fora da Igreja por não conhecê-la bem.

  10. Hélio disse:

    O PROTESTANTISMO E SUAS DÚVIDAS INFERNAIS

    Chama a atenção de qualquer pessoa a aversão que grande parte dos protestantes nutre pela Igreja Católica.

    Sabemos que bons e maus tem seguidores ou simpatizantes por todos os lados. As ideias mais inaceitáveis encontram adeptos e defensores em todo o canto.

    Por exemplo, nota-se em tempos de eleições todo o tipo de idéia ou ideologia. As propostas mais abomináveis são aceitas ao menos por pequena parte do eleitorado.

    Dependendo do cargo que se pretende e da quantidade de votos necessários para eleição de determinado candidato, pode-se colocar no poder alguém com ideias contestadas as vezes por milhões de pessoas a partir de meros 50.000 votos ou até menos.

    No entanto, contrariando a tendência natural do ser humano pela pluralidade, quando o assunto é a Igreja Católica apenas com algumas raras exceções, percebemos nitidamente a aversão e por vezes até ódio por parte dos irmãos protestantes.

    Como explicar isto ? Todos são maus no catolicismo ? Não há e nunca houve um sacerdote justo ou um papa honesto ?

    Dizem até mesmo que nós católicos não somos cristãos. Não há uma só doutrina ou dogma católicos que não estejam certos ?

    Ora, se a máxima protestante estivesse correta de que placa de igreja não salva ninguém, também estaria correta a afirmação de que placa de igreja não condena ninguém.

    Então por que tão grande hostilidade se é o protestante quem diz que placa de igreja nada garante e consequentemente assume que esta mesma placa nada condena ?

    Por anos procuramos explicações para esta aversão. No presente texto não desejamos dar explicações sobrenaturais, bíblicas ou teológicas. Nos parece que seria muita pretensão. Procuramos observar os aspectos racional e cotidiano.

    O protestante vive uma angústia infernal. E por que ?

    O protestante estabeleceu para si próprio o princípio Sola Scriptura. Tudo tem ser explicado pela Bíblia.

    Entretanto, o protestante admite e com razão que a Bíblia é a palavra infalível de DEUS. Sendo assim, uma vez que a palavra de DEUS é infalível, não se pode admitir que duas pessoas interpretem de modos diferentes o mesmo texto bíblico.

    É exatamente este um dos telhados de vidro do protestantismo. Não há protestante que concorde com outro protestante integralmente em matéria de fé e doutrina. E todo se dizem certos. E todos dizem que foram inspirados pelo Espírito Santo.

    Sinceramente, acreditamos que muitos protestantes abraçaram o protestantismo por boa-fé e estes mesmos agem com sinceridade diante de DEUS. Para estes, é evidente que uma angústia pertubadora lhes assalta a todo o momento.

    No caso das seitas e de seus falsos pregadores não se deve falar em angústia ou receios, já que para estes o evangelho e Jesus são apenas meios de se ganhar dinheiro. Eles mesmo não acreditam no que pregam.

    Estamos falando para os protestantes sérios e comprometidos com o cristianismo e que por questão de justiça me vejo forçado a dizer que repudiam e contestam as inovações e modismos introduzidos pelos falsos mestres.

    Um bom número de protestantes se posiciona de forma firme contra as novidades e blasfêmias introduzidas no meio cristão pelos inúmeros falsos profetas que andam por aí.

    Pois bem. Se um e outro protestante não concordam em matéria de fé e doutrina, é certo que pelo menos um deles está errado. E quem está errado, portanto, fazendo diferente do que ensina a Bíblia que é a palavra de DEUS infalível, por certo estaria praticando heresia perante o outro protestante.

    Não por acaso, não há protestante que não tenha sido acusado de heresia por outro protestante e não há protestante que não acuse outros de heresias.

    Surge então a agonia infernal que assola cada protestante. Nem todos estão interpretando corretamente.

    Como resolver o problema ? Se é certo que Jesus só tem uma opinião firme e verdadeira para cada tema e se é certo que ele não muda jamais, como conciliar doutrinas tão divergentes entre si de modo que todos os protestantes sintam-se seguros quanto a salvação ?

    Duas situações dão ao protestante a falsa segurança de que sua eventual heresia não lhe condenará ao inferno.

    1º situação
    A primeira é a salvação garantida. Quem aceita Jesus está salvo e já não importa o tipo de cristianismo ou o Jesus no qual se acredita. Levantou o dedo e fez o favor de “aceitar” Jesus já está salvo. E a maioria diz ainda que salvação garantida não pode ser perdida.

    Ou seja, assim como Lutero que disse que o homem deveria pecar o máximo possível que ainda assim seria salvo pela fé, o protestante acredita que tendo “aceitado” Jesus suas eventuais heresias não serão levadas em conta e neste caso a salvação obtida a partir do “aceita Jesus” é algo que não pode ser perdido ainda que posteriormente ele se torne um herege formal.

    Será ? Surge então um problema com esta teoria. Se estão todos salvos e salvação não pode ser perdida, podemos afirmar que pastores, pregações, leitura bíblica, dízimos, DVDs, CDs, música Gospel e mesmo igrejas protestantes são irrelevantes.

    Se todos estão salvos, por que fazer cultos para quem já está salvo e sendo que tal salvação nem mesmo pode ser perdida ?

    Por que pagar dízimos ? Por que leitura eficiente da Bíblia ? Por que pregações ? Se todos estão salvos e salvação não pode ser perdida, nem mesmo igrejas protestantes são necessárias. É tudo perda de tempo.

    Por que cultos e pregações para pessoas que já estão salvas e pessoas que teoricamente não precisam de pastores ou igrejas já que contam com a “assistência” do Espírito Santo na leitura bíblica de modo que podem interpretar a Bíblia e podem conhecer a sã doutrina e a vontade de DEUS ? O protestante não explica e pouco lhe importa que a doutrina da salvação garantida não faça sentido algum.

    Para resolver esta nova angústia, pois qualquer pessoa de bom senso pode concluir que a salvação não é algo automático e imutável, mas depende de nossas ações e perseverança, uma outra situação de certo modo recobra a “paz” do protestante quanto a salvação.

    2º situação

    O outro critério usado pelo protestantismo para trazer segurança aos seus filhos quanto a salvação foi nutrir aversão pela Igreja Católica.

    Simples. Combate-se um inimigo imaginário e que deve ser enfrentado por todos. Este suposto inimigo seria o maior herege de todos. Culpado por tudo. Já tem gente culpando a Igreja Católica pelas atuais divisões das divisões no protestantismo.

    Assim, quando o Senhor lhes cobrar as doutrinas estranhas ao evangelho por eles pregadas, haverão de dizer que combateram os maiores hereges ou o maior fabricantes de heresias que já existiu.

    As doutrinas protestantes alimentam-se basicamente do anti catolicismo. Os regimes totalitários utilizam-se deste expediente, criando inimigos imaginários que devem ser combatidos e que servem como cortinas de fumaça para que ninguém tenha que enfrentar os seus próprios desmandos e graves equívocos.

    Uns elegem os Estados Unidos da América como inimigo. No passado outros elegeram a extinta União Soviética. Outros elegem a imprensa, uns acusam os empresários ou governos e muitos outros elegem o papa ou a Igreja Católica como principais inimigos.

    Seria natural que muitos protestantes chamassem católicos de irmãos em Cristo quando entre eles várias afinidades são evidenciadas. Seria natural que protestantes defendessem católicos quando estes se destacam por iniciativas ou ações. Seria lícito esperarmos apoio para eventuais discursos de sacerdotes em defesa de princípios cristãos ou defesa da fé.

    Nada disto ocorre. Se o papa confessa Jesus Cristo como Senhor, lá vem uma crítica por causa de um pronome ou uma vírgula usada pelo papa. Se temos procissão somos idólatras. Se batemos palmas não temos respeito. Se não batemos palmas somos frios. Se tem celibato, deveríamos casar. E assim por diante.

    Mesmo nas críticas, um grupo de protestantes acusa a igreja de ter modificado a doutrina. Então vem outro grupo e acusa a Igreja Católica de ser dogmática, arcaica e que nunca se moderniza.

    Escândalos ou erros de sacerdotes católicos 500 anos atrás causam maior indignação aos protestantes do que um erro de um deles no presente.

    Isto é estranho. O protestante nos aponta o dedo e nos diz que somos ímpios. Ora, se somos ímpios, seria mais natural que pecássemos. E sendo eles o “Povo de DEUS”, não seria natural que fossem mais intolerantes com seus próprios erros ?

    Mas não é assim que funciona. Um católico 600 anos atrás que tenha cometido crimes é lembrado rotineiramente e todos os católicos atuais parecem ter que pagar pela infâmia ou escândalo causado séculos atrás.

    Entretanto, quando o protestante se depara com escândalos e desmandos em seu próprio meio, muitos não só se ocupam de defender o indefensável, mas outros tantos tornam aqueles abusos com total descaso.

    Mais estranho ainda é o fato de que na Igreja Católica nunca se defendeu que não há pecadores entre nós. Pelo contrário. O que é dito e ensinado é que a inerrância da Igreja refere-se as questões de fé, moral e doutrina. Nunca foi dito que filhos da Igreja estão imunes ao pecado.

    Quanto aos escândalos, o próprio Jesus nos adverte que cuidaria daqueles através dos quais os escândalos foram introduzidos. Na prática ele está nos dizendo que sempre se encarregaria de purificar sua igreja. Quem torna Lutero “indispensável” em verdade não creu na promessa de Jesus.

    O fato é que não compreendendo a diferença entre infalibilidade e “impecabilidade” os protestantes criaram igrejas que supostamente não teriam pecadores.

    Evidente que tal situação não foi possível. E eles já descobriram isto. Lutero não demorou a concluir.

    Falta coragem apenas de assumir que além de edificar igrejas com pecadores, agora os protestantes já não contam com o dom da infalibilidade que é reservado exclusivamente a Igreja Católica.

    Não por acaso, as heresias vistas em larga escala no meio cristão são patrocinadas exclusivamente pelo protestantismo.

    Unção da galinha, unção do cachorro, unção do zoológico, unção do chifre, unção da meia, unção do helicóptero, unção da vaca, batismo em parque de diversões, teologia da prosperidade, pregação pelo aborto, pregação pelo divórcio, unção do riso, regressão ao útero materno, unção da vassoura, transferência de unção, descarrego, fogueiras santas, desafios financeiros e tantas outras que demandariam um texto ainda maior. Já tem gente até dizendo que ajudar os pobres desvia recursos da “igreja”. Que horror !!!

    Ora, Jesus disse que devemos temer mais aqueles que matam a alma do que aqueles que matam o corpo. Em outras palavras, as heresias podem ser mais nocivas do que os erros comuns a todos os homens.

    Que angústia infernal vive o protestante ! Sua auto suficiência não lhe permitem retroceder. Desesperadamente, precisam constituir um inimigo maior e supostamente mais herege. E para não ter surpresas, nada melhor do que um conceito que “garante” salvação. Por via das dúvidas, melhor ainda é fazer desta salvação um tesouro que não pode ser perdido e independente do cristianismo que se pratica ou do Jesus que cada um segue.

    Dois protestantes e um católico estão conversando. O primeiro protestante se diz favorável ao aborto. O segundo se diz contrário. O católico que participa da conversa concorda com este segundo protestante que é contrário ao aborto.

    Qual a dupla entre os três que citei que se auto denomina como “irmãos” em Cristo ?

    Resposta: Os dois protestantes, ainda que absurdamente divergentes entre si e ainda que um deles se afine em termos de doutrina mais com o católico do que com o outro protestante.

    O comprometido protestante não compreende que ele vive um ciclo vicioso. Se defende a livre interpretação da Bíblia, terá que conviver com os maus que se utilizam da Palavra de DEUS para proveito próprio.

    Pensa este protestante que o meio de evitar as heresias e deformações seja o estudo bíblico mais aprofundado. Tem gente clamando por um vigoroso e generalizado estudo bíblico no meio protestante como forma de combater as heresias. Engana-se este protestante de boa-fé.

    Quanto mais estudo e teologia sem o alicerce de um magistério confiável, mais e mais surgirão novos pseudos mestres e “sábios” que eventualmente condenarão até mesmo os bons professores e estes mesmos fundarão novas seitas que produzirão novos “estudiosos” que, seguindo os passos dos primeiros também se dividirão e introduzirão novas heresias.

    Todo aquele que estuda a Bíblia fora da orientação das autoridades legítimas constituídas pelo Senhor Jesus acaba pensando saber mais do que os outros. Quanto mais “sábio”, mais se pretende ensinar e menos se pretende aprender.

    O genial e santíssimo São Thomás de Aquino, Doutor da Igreja disse e o disse bem: “Espero nunca ter ensinado nenhuma verdade que não tenha aprendido de Vós. Se, por ignorância, fiz o contrário, revogo tudo e submeto todos meus escritos ao julgamento da Santa Igreja Romana”

    Em contraste com a humildade do sábio católico e santo doutor, disse Martinho Lutero pai de todas as seitas: “Quem não crê como eu está destinado ao inferno. O meu juízo e o juízo de DEUS são a mesma coisa.”

    E tem gente preferindo dar ouvidos a Martinho Lutero.

    A Igreja é coluna e sustentáculo da verdade. O texto bíblico lhe confirma a autoridade sobre as Escrituras. Afinal de contas não foi a Igreja constituída pela Bíblia, mas a Bíblia produzida pela Igreja.

    Não por acaso o texto bíblico recomenda que toda Escritura é útil para o aprendizado. Em outras palavras, útil significa auxílio.

    Confundir utilidade com suficiência é confirmar que todo e qualquer homem pode livremente interpretar a Bíblia e assim não há como condenar heresia alheia se não há antes um magistério confiável que defina o que é heresia.

    Ao invés de atender a determinação bíblica de que a fé vem pelo ouvir, a fé do protestante acaba vindo pela sua própria leitura privada da Bíblia.

    Quem é o ser humano que deseja ouvir e aprender de outro aquilo que ele julga que pode entender por si próprio ?

    Assim, a fé do protestante em Jesus é a fé que cada um entendeu sobre Jesus através de sua leitura bíblica particular.

    Se por vezes homens mais preparados e estudiosos conseguem aproximar-se da doutrina do Jesus verdadeiro, muitos outros acabam “crendo” em um Jesus que não existe, mas fabricado a partir de conclusões decorrentes da leitura particular de cada um.

    E este Jesus que se opõe ao Jesus da Bíblia, mas que cada um entendeu a partir de sua própria leitura particular da Bíblia, é que será ensinado aos homens que não conhecem o evangelho e no Brasil particularmente será ensinado aos católicos que não conhecem a fé que dizem praticar.

    Ora, a contradição já se inicia na própria pregação de um protestante para qualquer homem ou mulher. Como pretende o protestante convencer quem quer que seja, se antes mesmo de qualquer coisa quem lhe ouve deve crer que DEUS não constituiu a Igreja como coluna e sustentáculo da verdade e nem concedeu a homem algum o dom da infalibilidade ?

    Não por acaso e porque cada qual tem o seu Jesus particular, quem prega teologia da prosperidade condena quem não a pratica e ainda rotula de trouxas seus opositores. Por outro lado, aqueles que abominam a dita teologia condenam aqueles que a ensinam, mas não deixam de considerar os primeiros como “irmãos em Cristo.”

    A angústia infernal protestante se dá ainda em última análise a partir do princípio criado pelo protestantismo e para o qual cada protestante está obrigado. O próprio Sola Scriptura “Só a Bíblia”.

    Ora, somos julgados pelos critérios que estabelecemos para os outros. Se somos misericordiosos, havemos de alcançar misericórdia de DEUS. Mas se somos rígidos, inflexíveis e intolerantes, estamos sujeitos ao julgamento de DEUS na mesma medida.

    Quem se obrigou ao “Só a Bíblia” ? Não fomos nós católicos. Não somos seguidores de Lutero. Escutamos a Igreja.

    O “Só a Bíblia” é um critério protestante, criado por protestantes e para protestantes.

    Curiosamente, nossos dogmas, costumes de fé e doutrinas são cobradas pelos protestantes a partir do critério que deveria valer para eles.

    E eles próprios não se dão conta de que o “Só a Bíblia” lhes condena, porquanto não havendo concordância no que se refere às questões de fé e doutrina, é óbvio que muitos estão saindo da Bíblia que deveria ser seguida por todos e pela qual todos, sem exceção, estão obrigados.

    Quem cobra “Só a Bíblia” e nada além dela e concorda que a Bíblia é a palavra infalível de DEUS, obrigou-se ao princípio que pretende impor aos demais.

    Quem é o protestante que gritando “Só a Bíblia” poderá desculpar-se por doutrina anti bíblica que tenha pregado ?

    Quem é o protestante que gritando “Só a Bíblia” e dizendo-se inspirado pelo Espírito Santo em sua leitura bíblica poderá dizer que não entendeu o que leu ?

    Como é seguro ser católico né ? Se fosse possível que a Igreja Católica cometesse erros em matéria de fé e doutrina, ainda assim poderíamos dizer a Jesus que fizemos o que estava na Bíblia e assim não interpretamos porque a Bíblia, segundo Pedro, proíbe a interpretação particular. E poderíamos dizer que acreditamos na Bíblia porque a Igreja Católica nos disse que era para crer.

    E também poderemos dizer a Jesus que não confiamos na nossa leitura bíblica, porquanto a mesma Bíblia em Timóteo nos ensina que a Igreja é coluna e sustentáculo da verdade. Podemos dizer que deixamos exclusivamente para a Igreja a tarefa de interpretar corretamente as escrituras.

    E poderemos finalmente dizer que escutamos o conselho de São Paulo e guardamos as tradições que nos foram transmitidas por escrito ou não. E podemos dizer que aprendemos estas tradições com a Igreja.

    Podemos até dizer que confiamos em Pedro por causa das palavras de Jesus para que ele apascentasse as ovelhas e confirmasse seus irmãos na fé.

    Se fosse possível erros na doutrina católica, nós católicos ainda poderíamos culpar a Igreja, São Paulo ou o Papa,

    Quem sabe poderíamos ouvir: “Pai, perdoe aos católicos. Eles são leigos e não sabiam o que estavam fazendo.”

    Ora, alguém perguntou a Jesus se ele era o filho de DEUS. Ele disse: “Tu o dissestes.” São nossos irmãos separados que dão testemunho de nós quando nos chamam de seguidores de papas ou quando nos dizem que nós CATÓLICOS não devemos considerar placa de igreja ou que o nome Igreja Católica não está na Bíblia.

    São eles que dão testemunho que somos ensinados pela Igreja e mantemos fidelidade a Pedro.

    E o protestante que tudo sabe a partir de sua própria leitura bíblica “inspirada” pelo Espírito Santo e que está obrigado ao critério “Só a Bíblia” ?

    Diante da angústia infernal a qual cada protestantes está sujeito a partir das escolhas que fez, nada melhor para lhe trazer uma falsa segurança do que acreditar na salvação garantida a partir do “aceita” Jesus e a eleição de um inimigo comum e “destrutivo” que deve ser vencido e que seria um herege ainda maior do que qualquer protestante.

    Nós católicos devemos dar graças ao Senhor pelo seu imenso amor. Conhecendo nossas fraquezas, nossas imperfeições, mazelas, soberba, arrogância, não nos abandonou a nossa própria sorte e aos nossos julgamentos parciais e completa ignorância, mas deu-nos como mãe e mestra por excelência a igreja inerrante que tudo nos ensina e que é o caminho seguro para nossa santificação rumo a pátria celeste.

    Já não somos nós que devemos descobrir por conta própria e a partir de nossa leitura bíblica privada a igreja que devemos integrar, as doutrinas que devemos seguir e repudiar, e, nem mesmo precisamos decidir quem é ou não herege ou quem vai ou não para o céu.

    O Cristo nos salva. A Igreja nos ensina. O espírito nos santifica. E o Pai julga todas as coisas.

    E ainda ganhamos Maria como caminho mais reto e seguro para Cristo. Façamos como João e levemos Maria para a casa.

    E ainda temos os exemplos de nossos santos que dão testemunho do poder do DEUS vivo que é capaz de transformar toda e qualquer criatura humana.

    Negar que seja possível alguém tornar-se santo é duvidar que o autor de toda a santidade possa produzir obras perfeitas. Ele mesmo diz: “Sem mim nada podeis fazer.” Quem é santo, só pode se-lo por causa de Jesus Cristo.

    Que amor sem medidas do Altíssimo DEUS pela humanidade !

    Infelizmente, o protestante está amarrado ao critério que criou para si próprio. Nada melhor do que impor aos católicos o “Leia Bíblia” para se auto convencer que existem outros interpretando de forma ainda mais equivocada do que ele próprio.

    Repudiamos ofensas contra a honra e dignidade das pessoas. Somos favoráveis ao amplo debate religioso e a liberdade de escolha de crenças e fé que pareçam mais adequados a cada homem ou mulher. Defendemos a liberdade religiosa e condenamos qualquer tipo de perseguição ou preconceito contra crença ou religião de quem quer que seja. Limitamos o debate às questões de fé e doutrina tão e somente.

    A paz do Senhor esteja convosco.

    Autor: V.De Carvalho com a colaboração de B.Carvalho/Dani Silva e A.Silva – Livre divulgação mencionando-se o autor

  11. Leonardo S disse:

    Esses protestantes ou “evangélicos” são os maiores mentirosos e hipócritas do mundo.
    Dizem que são cristãos mas vivem levantando falso testemunho, dizem respeitar a Bíblia mas não respeita a ordem do Apóstolo São Pedro que diz que NENHUMA profecia da Sagrada Escritura é de interpretação particular.Dizem respeitar e seguir a Bíblia mas faz dela coluna sustentáculo da verdade, quando a própria Bíblia diz que é a Igreja coluna sustentáculo da verdade.
    Em fim protestantes vcs tem a língua bífida da serpente que uma das pontas prega ser de “gizuís” e na outra calunia e difama tudo que é Santo e Puro.
    A Bíblia é filha da Igreja Católica e vcs roubaram ela, mutilaram ela, fizeram traduções dúbias para poder atacar a Mãe da Bíblia.
    Nunca respeitarei vcs filhos da serpente inimigos da Mulher, e suas doutrinas satânicas.
    In Corde Jesu, semper.

  12. Isabel disse:

    OS MALAFAIAS E O PROTESTANTISMO DAS PESQUISAS COM SEUS DEBOCHES E ZOMBARIAS
    ===================================================================
    Protestantes não raras vezes discordam uns dos outros.

    E mesmo que todos identifiquem heresias uns nos outros, todos se consideram irmãos em Cristo para fins estatísticos.

    A maior parte reconhece que o Espírito Santo não ensina doutrinas divergentes e opostas entre si.

    E assim nunca foi segredo para ninguém que uma Igreja evangélica não é igual a outra.

    Entretanto, os institutos de pesquisas e a imprensa colocam de um mesmo lado todas as igrejas protestantes e evangélicas.

    E a maior parte dos pregadores, fazendo-se de ingênuos, tentam sugerir que todos juntos integram uma “única” e “una” Igreja Evangélica Brasileira.

    Não é por inocência que fazem isto. É colossal a diferença em percentuais e números absolutos favoráveis a Igreja Católica em relação a qualquer outra igreja do Brasil.

    E mesmo somadas todas as 50.000 ou 60.000 igrejas protestante e evangélicas, e, admitindo que os percentuais e números anunciados estejam corretos, ainda assim estas igrejas todas somadas alcançaram menos da metade do número de católicos no Brasil.

    Estou fazendo apenas um registro. Maioria católica não praticante ou maioria evangélica sem compromisso efetivo com a unidade verdadeira ordenada por Jesus Cristo penso que não podem operar grandes transformações ou mudanças.

    Retomando:

    Quando surgem as estatísticas e pesquisas que sugerem falsamente a existência de uma só Igreja evangélica, o zelo pela coerência e o desejo na transmissão da sã doutrina desaparecem até mesmo dos honestos e bem intencionados.

    Pouco importa o que cada grupo ou pessoa prega ou o Cristo que se pretende seguir. O importante é o apontamento de determinado Instituto de pesquisa sobre os percentuais de igrejas evangélicas e número de crentes que assim se declaram.

    Todos os dias podemos verificar textos e artigos de pregadores famosos que estão exultantes com o “sucesso” desta “una” igreja evangélica onde tem de tudo e onde todos se atacam e muitos são abertamente denominados como apóstatas e hereges.

    Tem gente séria sendo injustamente chamada por outros de trouxas, idiotas, endemoníados e até filhos do diabo.

    No entanto, mesmo estes que são ofendidos por outros de forma brutal e injusta, SURPREENDENTEMENTE, logo que surgem as pesquisas assumem que todos, inclusive seus acusadores, “integram” a “única” e “una” Igreja Evangélica Brasileira.

    Para fins estatísticos todos estão “salvos” por causa das placas e dos rótulos protestante e evangélico.

    E curiosamente e contraditóriamente, todos gritam ao mesmo tempo contra o catolicismo que religião, placa de igreja ou rótulo não salvam ninguém.

    O que temos visto por aí ?

    Recentemente, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude, um líder evangélico muito determinado nos ataques ao Papa Francisco confirmou a máxima de que as pesquisas parecem ser mais importantes do que a qualidade do cristianismo:

    Incomodado especialmente com o discurso do Papa Francisco sobre a pobreza, este líder manifestou-se no twitter naqueles dias do mês de julho de 2013 da seguinte forma:

    “…Olha a nossa preocupação: segundo o IBGE, nós, os evangélicos em 2020 serão maioria no Brasil. Como estamos preocupados, deixa eu [rir] kkkkkkk.”

    Tenho impressão que o IBGE não fez tal afirmação. Não importa !

    Esta celebridade evangélica colocou todo mundo no mesmo saco, incluindo seus adversários com os quais já brigou e cujas doutrinas condenou.

    E também incluiu aqueles outros tantos que condenaram suas doutrinas, em especial, a doutrina da prosperidade que ele vem pregando e que a maioria, GRAÇAS A DEUS, rejeita, repudia e repele.

    O que vale realmente para este líder é tão e somente o que dizem as pesquisas.

    E ao que tudo indica, este líder parece ser o que há de melhor no meio evangélico.

    Grande parte dos evangélicos fez dele seu representante para diversos assuntos, especialmente quando se abre espaço para este líder nos grandes canais de tv.

    Se ele está na TV, torna-se repentinamente o representante de todos. Ou quase todos.

    Nesta “una” Igreja Evangélica Brasileira sugerida por este líder tem de tudo, se não vejamos:

    Unção da meia. Unção da Vassoura. Unção do leão. Unção do zoológico. Regressão ao útero materno. Troca de anjos da guarda. Transferência de unção. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Culto das princesas. Há quem batize e tem quem não batize. Tem quem acata o divórcio. Tem quem defenda a teologia da prosperidade e tem quem diga que isto é uma aberração. Tem quem guarde o sábado e tem quem guarde o domingo. Tem adoração da arca da aliança e tem fogueira santa ou desafios financeiros. Tem confissão positiva e tem até venda de canais por assinatura e venda de Bíblia da prosperidade. Tem pastor televisivo pregando a heresia de Ário. Tem pastor dizendo que ajudar os pobres desvia recursos da igreja. E tem pastor dizendo que não se deve tocar no “ungido” do Senhor. Tem pastor “determinando” e tem pastor mandando tomar posse da benção.

    E contra todas estas doutrinas existem muitos outros grupos, denominações e pessoas que também se declaram protestantes ou evangélicos e que também divergem umas das outras em outros temas.

    Tem ainda o grupo dos sem igreja que também se declara protestante/evangélico e que se afastou de todos os outros grupos.

    Mas este líder convive muito bem com toda esta confusão e Babel teológica.

    Vejamos o que ele acrescentou no twitter:

    “O único país do mundo onde os 3 últimos papas estiveram foi o Brasil. Somos nós que estamos preocupados? Deixa eu rir mais um pouco kkkkkkkkk”.

    Sem dúvida alguma para ele o “somos nós” significa que todos são “irmãos em Cristo”. Ele não fez qualquer distinção.

    Assim sendo, naquele grupo que ele elegeu como “Os salvos”, necessariamente, tem até o seu antigo mentor que é o auto proclamado bispo que prega a favor do aborto.

    Sinceramente, não vejo como podem pertencer ao mesmo grupo de “eleitos” ou “salvos”, os defensores do aborto e seus opositores.

    E como é possível que sejam “Irmãos em Cristo” os pregadores da teologia da prosperidade e todos aqueles que dizem que esta doutrina é obra do diabo ?

    Não há como negar a salvação pelo rótulo que vem sendo encarnada e assumida pelos protestantes e evangélicos rotineiramente.

    E quanto aos que berram sobre os percentuais alcançados nas pesquisas e estatísticas, podemos afirmar que se não é por ignorância, é tão e somente por má-fé que é possível alguém encher a boca e dizer “Povo de DEUS” ao fazer referência a um determinado grupo, quando se sabe que ele próprio já condenou doutrinas de muitos que ali estão inseridos e sabendo que ele também teve suas doutrinas ou ensinos condenados por tantos outros que fazem parte do mesmo grupo.

    No que diz respeito a uma eventual maioria evangélica no ano de 2020 e sobre a qual este líder fez referência, podemos dizer o seguinte:

    Se houver maioria evangélica ou maioria católica em 2020, DEUS ainda estará no controle de tudo.

    Se tivermos bons evangélicos que confessam Jesus Cristo como Senhor e DEUS uno e trino e cada qual assumir de fato a sua cruz, por via de consequência teremos bons cristãos.

    E os evangélicos sendo bons cristãos em 2020 por certo respeitarão as minorias. Respeitarão as leis. Serão amorosos com os católicos, cordiais, gentis e atenciosos. Respeitarão todas as religiões e terão apreço pela liberdade religiosa.

    Se esta maioria evangélica fizer como Jesus Cristo, então nós católicos seremos servidos por eles.

    Seremos acolhidos e nos darão de comer e beber.

    Seremos abrigados e vestidos.

    Ao que tudo indica, este líder evangélico esquece o que ele próprio vem pregando habitualmente.

    Por vezes, são as minorias que devemos temer.

    Finalmente, disse ainda no twitter este líder que agora aparece nos canais de TV, diga-se de passagem para alegria e encantamento de muitos no meio evangélico que antes “repudiavam” algumas destas emissoras:

    “A verdade é que tem gente que não suporta a verdade, quando ela o confronta. Deixa eu [rir] ahahahahahah”

    Mas será que ele suporta a verdade ?

    Para a decepção deste líder evangélico:

    “Quem define as coisas no Reino Espiritual não é o IBGE irmão, mas o Espírito Santo, o Deus Todo-Poderoso. Ele nunca erra! (Padre Roger Luis também no twitter)”

    Reconheço que todo homem e mulher podem e devem aderir a fé, crença ou credo que lhes pareçam mais favoráveis ou adequados. Não concordo com qualquer tentativa de cerceamento de liberdade religiosa. Não aceito também ofensas a honra e dignidade das pessoas.

    Autor: André Silva com a colaboração de V.De Carvalho – Livre divulgação mencionando-se os autores

Os comentários estão desativados.