Quo vadis, parve Ioannes?

É realmente lamentável o estado a que chegou o clero pós-Vaticano II.

Padre Joãozinho gosta muito de se mostrar escandalizado com aqueles que não aceitam o pastoral e falível Concílio Vaticano II. Chamou a Montfort até de marxista. Gosta de publicar os comentários que chamam os católicos tradicionais de protestantes, de sectários, de cismáticos. Todas aquelas mesma  acusações sem nexo de sempre. Interessante é observar que o referido padre apenas coloca artigos e seu blog e depois não mais intervém. Deixa que os leitores “quebrem o pau” e não se dá ao trabalho de argumentar contra os que discordam dele. Mas nem por isso deixa de inserir novos artigos contra a Tradição Católica e a resistência aos erros do Vaticano II. Estranha a atitude de um doutor, cujo título normalmente evoca a noção de alguém muito versado na matéria e capaz de discuti-la com profundidade e argumentar com sabedoria. Em vez disso, o que se vê é a estratégia propagandística: muita repetição das memas idéias, muitas opiniões de leitores, nenhum tratamento sério da questão. Parece que ele quer vencer pelo cansaço.

As opiniões do padre Joãozinho sobre o batismo também são bastante heterodoxas. O vídeo a seguir, que nos foi trazido ao conhecimento por um leitor, demonstra bem a confusão deste padre que não sabe a diferença ente o sacramento do batismo e o processo de santificação da alma:


Ele começa a dizer que “O batismo no Espírito é um desdobramento do batismo sacramental” (47 s) e que o batismo é um processo, de forma que uma pessoa não é batizada, e sim “batizanda”. Ele comfirma estas besteiras dizendo que “o batismo é dinâmico” (1 min) e que “somente seremos totalmente batizados no Céu” (1 min 19 s), “enquanto estivermos aqui [nesta vida] estamos passando por um processo batismal” (1 min 28 s). Este processo seria o tal “batismo no Espírito”, que aconteceria muitas vezes na vida da pessoa (2 min), e ainda o associa a uma “tomada de consciência do próprio batismo (2 min 25 s).

Isto tudo foi dito só na primeira metade do vídeo, que tem pouco mais de cinco minutos. Na outra metade ele fala sobre o dom de línguas, mas creio que seja suficiente para a paciência de qualquer cristão comentar o primeiro assunto.

Vamos confrontar o que diz Padre Joãozinho com a doutrina católica. Comecemos pelo batismo sacramental:

Lemos, no Catecismo Maior de São Pio X:

518) Explicai com um exemplo como os Sacramentos são sinais sensíveis e eficazes da graça.
No Batismo, o ato de derramar a água sobre cabeça da pessoa, e as palavras: Eu te batizo, isto é, eu te lavo, em nome do Padre e do Filho e do Espírito Santo, são um sinal sensível do que o Batismo opera na alma; porque assim como a água lava o corpo, assim a graça, dada pelo Batismo, purifica a alma, do pecado.

Onde se encontra o “processo” alegado por padre Joãozinho? O batismo confere a graça santificante à alma do batizado, o que normalmente se diz que apaga a “mancha” do pecado original. Os números seguintes do Catecismo de São Pio X explicam bem a doutrina sobre a graça:

526)    Que é a graça santificante?
A graça santificante é um dom sobrenatural, inerente à nossa alma, que nos faz justos, filhos adotivos de Deus e herdeiros do Paraíso.

527)    Quantas espécies há de graça santificante?
Há duas espécies de graça santificante: graça primeira, e graça segunda.

528)    Que é a graça primeira?
A graça primeira é aquela pela qual o homem passa do estado de pecado mortal ao estado de justiça, de amizade com Deus.

529)    E que é a graça segunda?
A graça segunda é um aumento da graça primeira.

530)    Que é a graça atual?
A graça atual é um dom sobrenatural que ilumina nossa inteligência, move e fortalece a nossa vontade, a fim de que pratiquemos o bem e evitemos o mal.

535)    Que é a graça sacramental?
A graça sacramental consiste no direito que se adquire, recebendo qualquer Sacramento, de ter ein tempo oportuno as graças atuais necessárias, para cumprir as obrigações que derivam do Sacramento recebido. Assim, quando fomos batizados, recebemos o direito a ter as graças necessárias para vivermos cristãmente.

536)   Dão sempre os Sacramentos a graça a quem os recebe?
Os Sacramentos dão sempre a graça, contanto que se recebam com as disposições necessárias.

538)   Quais são os Sacramentos que conferem a primeira graça santificante?
Os Sacramentos que conferem a primeira graça santificante, que nos faz amigos de Deus, são dois: Batismo e Penitência.

539)   Como se chamam, por este motivo, estes dois Sacramentos?
Estes dois Sacramentos, isto é, o Batismo e a Penitência, chamam-se por este motivo Sacramentos de mortos, porque são instituídos principalmente para restituir a vida da graça às almas mortas pelo pecado.

540)   Quais são os Sacramentos que aumentam a graça em quem a possui?
Os Sacramentos que aumentam a graça em quem a possui, são os outros cinco, isto é, a Confirmação, a Eucaristia, a Extrema-Unção, a Ordem e o Matrimônio, os quais conferem a graça segunda.

Dos números 538 e 539, aprendemos que o batismo confere a graça santificante à alma assim que ela o recebe. Os sacramentos que aumentam a graça de quem já a possui são enumerados no número 540, do qual, obviamente, não consta o batismo.

Se o batismo fosse um processo que durasse a vida toda, o que São Pio X disse no número 536 acima seria mentira. De fato, os Sacramentos dão sempre a graça a quem recebe com as disposições devidas. Se fosse um processo, o Batismo não conferiria toda a graça que simboliza, mas esta deveria ser buscada pelo cristão durante toda sua vida, como hereticamente defendeu o padre carismático. Como o batismo é o sacramento que nos torna cristãos, segundo a doutrina católica, e sendo ele um processo que somente se completa no Céu, como acredita padre Joãozinho, resultaria daí que não há nenhum verdadeiro cristão sobre a Terra. Coerente com as idéias do padre Fábio de Melo, expostas na entrevista com o Jô Soares. Porém, totalmente incompatível com a doutrina católica.

Mas, continuando a ler a aula de doutrina dada por São Pio X, aprendemos que o Batismo é um dos sacramentos que imprimem caráter à alma:

545)   Quais são os Sacramentos que se podem receber uma só vez?
Os Sacramentos que se podem receber uma só vez, são três: Batismo, Confirmação e Ordem.

546) Por que os três Sacramentos, Batismo, Confirmação e Ordem só se podem receber uma vez?
Os três Sacramentos, Batismo, Confirmação e Ordem, podem-se receber uma só vez, porque imprimem caráter.

547)   Que é o caráter que cada um destes três Sacramentos imprime na alma?
O caráter impresso na alma em cada um destes três Sacramentos, é um sinal espiritual que nunca se apaga.

Como poderia padre Joãozinho conciliar suas palavras com os ensinamentos de São Pio X? Afinal de contas, padre Joãozinho acredita ou não que o Batismo imprime um caráter na alma? Se acredita, então como poderia o mesmo ser um “processo” que somente se completa no Céu?

Vamos ler a definição de Batismo?

549)   Que é o Sacramento do Batismo?
O Batismo é o Sacramento pelo qual renascemos para a graça de Deus, e nos tornamos cristãos.

550)   Quais são os efeitos do Sacramento do Batismo?
O Sacramento do Batismo confere a primeira graça santificante, que apaga o pecado original e também o atual, se o há; perdoa toda a pena por eles devida; imprime o caráter de cristão; faz-nos filhos de Deus, membros da Igreja e herdeiros do Paraíso, e torna-nos capazes de receber os outros Sacramentos.

Mais uma vez eu pergunto: padre Joãozinho, onde está o alegado “processo” batismal?

Do que ficou exposto, percebe-se claramente que o referido padre não se deu ao trabalho de ler nem mesmo o Catecismo.

Diga-se, de passagem, que ele nem se lembrou que existe o Sacramento do Crisma, que o define São Pio X como:

575)   Que é o Sacramento da Confirmação?
A Confirmação, ou Crisma, é um Sacramento que nos dá o Espírito Santo, imprime na nossa alma o caráter de soldados de Cristo, e nos faz perfeitos cristãos.

576)  De que maneira o Sacramento da Confirmação nos faz perfeitos cristãos?
A Confirmação faz-nos perfeitos cristãos, confirmando-nos na fé, e aperfeiçoando em nós as outras virtudes e os dons recebidos no santo Batismo; e é por isso que se chama Confirmação.

Para padre Joãozinho, o “batismo no Espírito” seria um processo que aperfeiçoaria o Batismo, mas o Sacramento da Crisma não mereceu nem ser citado em suas relações com o Batismo.

Finalmente, sobre o crescimento da vida cristã, devemos lembrar o ensinamento tradicional da Igreja. Uma vez tornados cristãos pelo Batismo, e ainda mais depois de fortalecidos pela Crisma, cabe a nós buscarmos a perfeição da vida cristã. Para isso, devemos percorrer três vias: a purgativa, a iluminativa e a unitiva. Tudo isso se estuda na Teologia Ascética e Mística. Mas, isso discutimos em outro artigo. Para padre Joãozinho, estudar o catecismo já é um bom começo.

2 comentários em “Quo vadis, parve Ioannes?

  1. […] E já que estamos falando de batismo, podemos lembrar as idéias nada ortodoxas que o Joãozinho já expressou sobre o mesmo, e que nós já comentamos aq… […]

  2. […] E já que estamos falando de batismo, podemos lembrar as idéias nada ortodoxas que o Joãozinho já expressou sobre o mesmo, e que nós já comentamos aq… […]

Os comentários estão desativados.