Quarto aniversário do blog e mensagem de Natal

No dia de ontem completaram-se quatro anos do primeiro artigo escrito neste blog. Agradeço aos leitores que nos apoiaram neste ano de 2011, que não foi nada fácil para realmente ama a Igreja. Só para mencionar alguns fatos: a “beatificação” de João Paulo II; o terceiro encontro de Assis; os bispos “conservadores” que defendem liberdade religiosa, estado laico e elogiam o espiritismo; os “ex-tradicionalistas” que, não achando nada melhor para fazer, inventaram de atacar com mentiras um padre da Tradição – “ótima” preparação que eles escolheram para a Páscoa; a expectativa sobre as conversações, etc. Felizes somos nós, porque nossa confiança está em Deus. Somente assim podemos ter a firme confiança na vitória.

Por um lado, continuamos firmes neste ano a crítica ao Vaticano II, e vamos continuá-la no ano que vem. Por outro, percebi que estava perdendo tempo demais discutindo com quem não quer saber da verdade. Tomei, portanto, a iniciativa de fechar os comentários de alguns artigos sobre a RC”C”. Tenho que gastar melhor o tempo do que ficar lendo comentário que não acrescenta nada sobre a discussão, que só repete os mesmos chavões, as mesmas ofensas contra nós, quando não estão cheios de palavras de baixo calão. Outra crítica que eu me faço é o excessivo cuidado no combate aos neo-conservadores. Sinceramente, percebi que não adianta poupar críticas a eles. Certamente que eles promovem toda uma propaganda para nos fazer passar por “rad-trads”, “radicais”, “fundamentalistas”, etc. Mas, que importa isto? As pessoas que tiverem o mínimo de boa-vontade vão entender que o escândalo deles é farisaico. O que não podemos é deixá-los continuar a sua obra de desinformação. 2012 promete ser um ano de artigos voltados para desmentir a propaganda neo-conservadora.

Desejo um santo Natal e um feliz e próspero ano de 2012, cada vez mais pleno de Deus. Que possamos cada vez mais nos acercarmos dos meios de salvação que a Igreja nos dispõe, e que um número cada vez maior de católicos possam ter acesso a estes meios tão perfeitamente presentes na Tradição Católica.