Outras duas profecias sobre a apostasia atual

No último artigo, publicamos uma série de profecias sobre a apostasia que estamos vivendo desde o latrocínio Vaticano II. Atualizamos agora a lista com mais duas profecias que descrevem exatamente o que estamos vendo atualmente. São, desta forma, um importante aviso para que não nos deixemos enganar pelos artifícios da anti-igreja. São, também, um duro golpe no legalismo daqueles que exigem uma obediência cega a pessoas que vemos claramente que não possuem o mínimo de Fé católica e que trabalham abertamente para destruir a Igreja de Cristo.

A primeira profecia é do arcebispo norte-americano Fulton Sheen, publicada em seu livro “Comunismo e a Consciência do Ocidente”, do ano de 1948 (os destaques são nossos):

Ele [Satanás] estabelecerá uma contra-igreja que vai macaquear a Igreja, porque ele, o Diabo, é o macaco de Deus. Ela terá todas as notas e características da Igreja, mas ao inverso e esvaziada de seu conteúdo divino. Será um corpo místico do Anticristo que em todas as exterioridades se parecerá com o corpo místico de Cristo… Então se verificará um paradoxo – as mesmas objeções com as quais os homens no século passado rejeitaram a Igreja serão as razões pelas quais eles agora aceitarão a contra-igreja.”
(Arcebispo Fulton Sheen,
Communism and the Conscience of the West

Fonte: http://speminaliumnunquam.blogspot.com.br/2014/02/profecia-do-arcebispo-fulton-sheen-de.html

O que é a “igreja” conciliar senão uma imitação grosseira da Igreja Católica? Exatamente como diz a profecia, em todas as exterioridades ela se parece com a Igreja Católica, mas no interior é completamente desprovida de Fé, é uma instituição comandada por pessoas apóstatas. Os templos, as vestimentas, o vocabulário, em tudo isto a “igreja” conciliar imita a Igreja Católica. Mas a “igreja” conciliar trabalha para a descristianização da sociedade, como muito bem expôs Dom Marcel Lefebvre ao herege Ratzinger. A “igreja” conciliar forçou os governos de países católicos a abandonarem o Estado confessional e adotarem o Estado laico. Quando a verdadeira Igreja Católica teria feito isto? A “igreja” conciliar promove os encontros de Assis, onde Cristo é apenas mais um no panteão dos deuses. Quando a verdadeira Igreja Católica teria feito isto? A “igreja” conciliar promove e até “canoniza” os liberais, os modernistas, os indiferentistas, todos aqueles que no passado eram condenados, ao mesmo tempo que persegue e excomunga os católicos tradicionais, aqueles que somente querem fazer aquilo que a Igreja sempre fez e crer no que a Igreja sempre creu. Quando a verdadeira Igreja Católica teria feito isto? Poderíamos repetir a pergunta para cada um dos absurdos atos públicos de apostasia que vemos diariamente.

A outra profecia que publicamos neste artigo é do Cardeal Newman, escrita ainda no século XIX, no longínquo ano de 1838, e trata sobre o tempo do Anticristo.

“Nos tempos do Anticristo a Igreja de Deus sobre a terra verá reduzido grandemente o número aparente de seus fiéis devida a aberta deserção dos poderes deste mundo. Esta deserção começará por uma indiferença a toda forma de cristianismo, sobre a aparência de uma tolerância universal. Mas esta tolerância não procederá de um verdadeiro espírito de caridade e indulgência mas de um projeto que tem por fim destruir o cristianismo pelo incentivo as seitas. Esta pretensiosa tolerância irá muito mais além de uma justa tolerância a inclusive a que diz respeito às diversas denominações cristãs. Pois os governos pretenderão ser indiferentes a todas e não darão proteção preferencial a nenhuma. Da tolerância das mais pestíferas heresias passarão logo à tolerância do islamismo, do ateísmo e por fim virá a perseguição explícita da verdade do cristianismo. Nesses tempos o Templo de Deus se verá reduzido aos santos, isto é, ao pequeno número dos verdadeiros cristãos que adoram o Pai em espírito e em verdade e que regem estritamente sua doutrina e culto e toda sua conduta pela Palavra de Deus“.

Fonte: http://cumexapostolatusofficio.blogspot.com.br/2015/01/profetico.html

Nesta profecia também temos uma descrição de como estaria a Igreja Católica extremamente reduzida no número de seus fiéis. A descrição do indiferentismo também chama a atenção, por ser exatamente o que estamos vivendo atualmente. Indiferentismo pregado pela própria “igreja” conciliar.

Não nos deixemos enganar pelas aparências. Sejamos fiéis à Igreja Católica, não aos falsos profetas e usurpadores que não possuem a Fé verdadeira.