Dom Williamson: “pegaria o próximo avião para Roma”!

A confusão causada pela imprudência de Dom Williamson e a malícia de seus defensores estourou com a questão do suposto milagre ocorrido na missa nova. Mas a imprudência do bispo não se limita a essa sua opinião. Convido-os assistir o vídeo a seguir, que é parte de uma conferência dada por Dom Williamson em Post Falls, EUA, no dia 1º de Junho de 2014. A transcrição da fala de Dom Williamson, a partir dos onze minutos e trinta segundos, foi colocada logo depois do vídeo a fim de auxiliar quem não for proficiente em inglês. A tradução para o português, sob nossa responsabilidade, vem logo em seguida.

If …, if …, if … by some miracle, Pope Francis rang me up next week and said,

“Your Excellency, you and I have had our divergences, but right now I am authorizing you to found a society. You go right ahead for the good of the Church.”

“Uh, Holy Father, can I have that in writing?”

“Do you mind if I come to Rome and get that with your signature?”

“Yes, of course.”

“Alright!”

Then I’d be on the next plane to Rome. I’d be on the next plane to Rome!

Transcrição obtida a partir do sítio:

http://callmejorgebergoglio.blogspot.com.br/2014/06/bp-williamson-gives-shoutout-to-francis.html:

Tradução para o português:

Se… Se… Se… por algum milagre, o Papa Francisco me telefonasse semana que vem e dissesse: “Excelência, o senhor e eu tivemos nossas divergências mas, neste exato momento eu estou lhe autorizando a fundar uma sociedade. Você vai em frente para o bem da Igreja.”

“Oh, Santo Padre, eu posso ter isso por escrito? O senhor se importa se eu for a Roma e obter isso com sua assinatura?”

“Sim, é claro.”

“Está ceto.”

Então pegaria o próximo avião para Roma. Então pegaria o próximo avião para Roma!

Depois de ouvir tudo isso, o mais simples, o mais humilde dos seres humanos certamente se coloca a pensar: não era Dom Williamson que criticava tanto o acordo que Dom Fellay queira fazer com a roma apóstata? Então como pode ele mesmo querer fazer a mesma coisa? Não precisa ser teólogo, não precisa ser “iluminado”, não precisa ser “puro”, não precisa “se achar superior a Santo Tomás de Aquino”, não precisa ser “super tradi” para entender isso.

Um acordo prático, ou mesmo um “reconhecimento unilateral”, para estar em comunhão com hereges e ainda mais sob sua jurisdição, é um grande mal, não importa quem sejam as partes envolvidas. Não é uma questão pessoal. Não é uma questão de aversão por Dom Fellay e de simpatia por Dom Williamson. É uma questão  de Fé, é uma questão de princípios. O Vaticano está ocupado por usurpadores, por hereges cuja autoridade é absolutamente nula, cuja jurisdição é ilegítima. E que fazem de tudo para destruir o catolicismo. Inclusive prometer respeito aos católicos tradicionais e depois traí-los. Isso aconteceu não apenas uma ou duas vezes, mas sim com todos, absolutamente todos, os que se aproximaram da falsa igreja conciliar. Então, quem quer que aceite um pedaço de papel como garantia de respeito de uma seita que já provou diversas vezes não respeitar os católicos, essa pessoa, seja quem for, está cometendo um grave erro. E nós temos a obrigação de não apoiar alguém que tão levianamente coloca em risco as almas que lhes foram confiadas.

A partir do momento em que se abandonam os princípios para se sustentar nas pessoas, o combate perde todo o valor. Não devemos apoiar uma guerra de uma tribo contra a outra que, no fundo, querem a mesma coisa. Se alguém está fazendo isso, está cometendo um pecado gravíssimo. Está transformando o combate pela Fé, que está acima de todos nós, em uma disputa pessoal. Eu jamais teria me engajado em um disputa vil como essa. Sirvo à Igreja Católica, e não a um ou outro bispo. Quem quiser trabalhar realmente para livrar a Igreja da ação dos modernistas terá meu apoio, mas quero distância de quem pretende entregar almas nas mãos desses inimigos da Igreja. Todos nós temos obrigação de nos regermos pelos princípios, e não nos tornarmos mercenários ao mando de alguém que se afasta desses princípios.

Os defensores de Dom Williamson, na tentativa de nos desqualificar, acusaram-nos de sermos hipócritas. Interessante é que eles mesmos criticam duramente Dom Fellay por este estar fazendo exatamente o que Dom Williamson assumiu, neste vídeo, que queria fazer. Então fica a pergunta: quem é o hipócrita?

Vamos ilustrar com um exemplo? Dom Fellay disse à Revista “30 Dias”, publicada em outubro de 2002, que “se [o papa] me chama, eu vou logo. Melhor dizendo, vou correndo. Isso é certo.”. Em crítica a essas palavras, um blog que defende Dom Williamson publicou um artigo (http://castigatridendomoreselrustico.blogspot.com.br/2013/08/corriendo.html) contendo essa citação e a imagem de vários filhotes de avestruz correndo. Uma crítica mordaz, e justa, ao absurdo dito por Dom Fellay. Mas, por que não fazem o mesmo com Dom Williamson? Por que não fazem uma montagem com uma foto dele dentro de um avião indo para Roma? Por que não colocam umas imagens no formato de gifs animados com aviõezinhos coloridos voando? Por que somente os erros de Dom Fellay merecem ser combatidos? É porque, infelizmente, abandonaram os princípios para ficarem com o sectarismo. E depois de tudo isso, ainda conseguem dizer que nós é que somos hipócritas.